Projeto que investiga Lava Jato reúne 20 jornalistas de 11 países

Por treinamento

 

Projeto Investiga Lava Jato é coordenado por profissionais da Folha e do portal peruano Convoca (Reprodução/Investiga Lava Jato)

O projeto de jornalismo colaborativo Investiga Lava Jato reúne 20 profissionais de 11 países da América Latina e da África com foco na cobertura aprofundada do escândalo de corrupção que ultrapassou as bordas nacionais. O site da iniciativa foi lançado no dia 4 de junho.

Coordenada por Milagros Salazar, do portal peruano Convoca, e por Flávio Ferreira, repórter da editoria de Poder da Folha, a aliança tem o objetivo de fazer uma investigação integrada sobre a Lava Jato.

“O fenômeno tem muitas semelhanças, há padrões de conduta que se repetiram em vários países. Com uma cobertura unificada, conseguimos montar as peças de um grande quebra-cabeça que não se limita ao Brasil”, diz Flávio.

Os outros colaboradores são de nove países (Colômbia, Argentina, Venezuela, El Salvador, Guatemala, Moçambique, Equador, Panamá e México), todos citados em documentos divulgados pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos como locais em que a Odebrecht havia pago propina.

Na última quinta-feira (15), o portal do Investiga Lava Jato publicou o primeiro grande levantamento, que também pode ser lido na Folha.

Os jornalistas se organizaram em março, durante um curso de jornalismo investigativo em Catargena, na Colômbia, inspirados pelas aulas de Marina Walker, da ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), entidade responsável pelos Panama Papers.

Eles se reúnem e decidem as pautas online, divulgando as reportagens também em seus veículos de acordo com interesses locais. Os repórteres compartilham ainda uma base de dados com cerca de 8 mil documentos para análise.

Até o momento, o conteúdo do site é produzido em espanhol. Aos poucos, os textos estão sendo traduzidos para o português.