‘Washington Post’ quer criar newsletters que não sejam apenas pontes para site

Por treinamento

Como parte de uma estratégia para atrair assinantes para o jornal de forma gradual, o “Washington Post” tem investido nos últimos anos na criação de newsletters autorais direcionadas a públicos de perfis variados. O objetivo é que funcionem como produtos editoriais com autonomia em relação ao site do jornal, inclusive com análises e artigos escritos especificamente para seus leitores.

“Se alguém me fala que quer lançar uma newsletter, mas seu objetivo é só conseguir tráfego para suas histórias, a resposta é quase sempre ‘não'”, diz a editora de newsletter e alertas do jornal Tessa Muggeridge, em entrevista ao site “Poynter”. “Uma newsletter é um produto em si mesma. Não é um caminho para mais nada.”

washingtonpost
“Washington Post” quer que newsletters sejam produtos autônomos (Foto: Divulgação)

A publicação desenvolveu 70 newsletters escritas e organizadas por jornalistas, com apelo para vários segmentos. Há conteúdo personalizado para fanáticos por política, fluxos de reportagens edificantes para os mais otimistas, apanhados de notícias para os aficionados em ciência e uma newsletter voltada para leitores estrangeiros.

Atualmente, a Folha possui sete newsletters –notícias do dia em português, inglês e espanhol, destaques do editor, agenda cultural em São Paulo, TV Folha e conteúdo da “Serafina”. “Acompanhamos a tendência, porque em 2016 cresceu muito o uso de newsletters no mundo. Provavelmente 2017 vai ser o ano das newsletters”, afirma Andre Monteiro, da editoria de Audiência e Dados.

De acordo com Muggeridge, as newsletters se encaixam na estratégia do “Post” para construir um “funil de engajamento”, que chame público para a órbita do jornal.

A expectativa é de que, após algum tempo recebendo as newsletters ao menos semanalmente, os leitores passem a comentar histórias, divulgá-las em redes sociais ou enviar mensagens aos repórteres que as escreveram. Depois disso, o jornal espera que parte desse público faça uma assinatura digital.

A publicação, no entanto, não abandonou de todo as newsletters criadas especificamente para atrair visitas ao site. O “Post Most”, por exemplo, envia ao público os textos e vídeos mais populares do site, e é ainda um dos conteúdos mais procurados pelos leitores.