Graças a caixa de correio, repórter do ‘NYT’ descobre como Trump evitava pagar impostos

Por treinamento

Em artigo publicado no jornal “New York Times” neste domingo (2), a repórter de política Susanne Craig conta como sua caixa de correios foi responsável pela descoberta de que Donald Trump, candidato à Presidência dos EUA, evitou pagar impostos por quase duas décadas.

“Meus colegas fazem piada com a minha ultrapassada devoção à caixa de correios”, diz Susanne, que tem o costume de checar seu conteúdo constantemente. No dia 23 de setembro, essa devoção foi recompensada. Na data, a jornalista encontrou em sua caixa de correio no jornal um envelope com o endereço da empresa de Trump. Dentro, havia páginas dos registros fiscais do empresário referentes ao ano de 1995.

A jornalista do "New York Times" Susanne Craig (Reprodução/Twitter)
A jornalista do “New York Times” Susanne Craig (Reprodução/Twitter)

“Ficamos obcecados com os documentos, o envelope, o carimbo postal, a data –tudo. Até checamos todas as outras caixas para o caso de o remetente ter enviado documentos adicionais a algum outro repórter”, conta Susanne.

Ao lado do jornalista investigativo David Barstow, ela procurou pessoas que pudessem confirmar a veracidade dos documentos e tentou criar um retrato das finanças de Trump no período –o empresário sofreu grandes perdas em 1995, que teriam permitido que ele evitasse pagar impostos federais por quase duas décadas.

Embora os documentos parecessem autênticos e tivessem sido assinados pelo próprio Trump e por Marla Maples, sua esposa na época, os jornalistas permaneceram céticos. Um dos problemas encontrados foi uma aparente incompatibilidade de números na mesma linha em que o empresário declarava uma perda de mais de US$ 915 milhões.

O mistério foi solucionado graças a um encontro com Jack Mitnick, contador aposentado que foi responsável pelas declarações de impostos de Trump. “O software de preparação de impostos que ele tinha usado não permitia que registrasse uma perda de nove dígitos. Ele precisou colocar manualmente os primeiros dois dígitos, usando uma máquina de escrever”, afirma Susanne.

Oito dias após a chegada do envelope, os jornalistas entraram em contato com o comitê de campanha de Trump. Apesar de não negar nem confirmar as informações, a porta-voz do candidato ameaçou processar o jornal caso elas fossem veiculadas.

O artigo foi publicado neste sábado. “As pessoas ficaram fascinadas não apenas pela história, mas também pela forma como chegamos a ela”, conta a repórter. “Por que a fonte enviou os documentos para mim, dentre todos os repórteres que há por aí? Provavelmente porque havia escrito uma análise exaustiva da dívida de US$ 650 milhões de Trump”.

Susanne sugere que jornalistas continuem checando suas caixas de correios, que ainda podem ser uma maneira importante de receber informações anônimas. “Se você quiser me enviar qualquer coisa, sobre qualquer assunto, minha caixa está aberta. O endereço é 620, Eighth Avenue, 3º andar, New York, NY, 10018”.