Para jornalista da New Yorker, ‘guerra contra a imprensa’ está próxima

Por treinamento

Um vídeo íntimo publicado num site de fofocas pode iniciar uma onda de processos contra a imprensa americana.

Em coluna no site da “New Yorker”, Nicholas Lemann afirma que “jornalistas e seus advogados deveriam se armar para uma guerra extensa” contra quem se sente ofendido por reportagens.

O grupo de mídia Gawker foi condenado em março a pagar US$ 115 milhões (R$ 402 milhões) ao ex-lutador Terry Bollea, conhecido como Hulk Hogan. Ele alegou ter sua privacidade invadida depois que um vídeo íntimo dele com uma amante foi publicado pelo site.

O ex-lutador Hulk Hogan durante julgamento contra o grupo Gawker, em março deste ano (Foto: Robin Marchant/AFP)

Veículos americanos revelaram que o empresário bilionário Peter Thiel cobriu os custos do processo. Co-fundador do sistema de pagamentos PayPal, ele já teve seu nome envolvido em polêmicas publicadas pelo Gawker.

Para o jornalista da “New Yorker”, a derrota no tribunal é uma decisão histórica. Até então indenizações nos Estados Unidos só eram garantidas quando fatos falsos eram veiculados, e somente se a vítima pudesse provar o dolo.

Em um momento em que há uma pulverização de veículos, Lemann diz que toda a imprensa pode perder proteções antes garantidas por lei.

Ele afirma que o caso Gawker pode ser o primeiro de muitos processos capazes de “libertar o ressentimento de uma geração” contra a imprensa, em um momento em que esta se encontra “mais vulnerável, econômica e culturalmente, do que costumava ser”.