Jornalista defende importância de saber contar boas histórias até no mundo dos negócios

Por treinamento

Em 2012, uma mulher usando um quimono e segurando cartões escritos a mão gravou um vídeo em uma rua de Melbourne, na Austrália. Um por um, os cartões eram virados e contavam uma história.

Depois de deixar a gravadora onde haviam feito seu último álbum, ela e sua banda passaram quatro anos escrevendo músicas para um novo disco. O problema é que não tinham condições de produzir o álbum sozinhos. Ela precisaria da ajuda das pessoas para fazer o projeto dar certo.

O vídeo foi postado no Kickstarter. Em 30 dias, ele angariou US$ 1,2 milhões. 24.883 pessoas encomendaram o disco com antecedência, compraram a arte da banda ou simplesmente doaram dinheiro. O álbum e a turnê fizeram sucesso, e a artista transformou sua música em um negócio rentável.

Para quem ainda não conhecia a história, essa mulher era Amanda Palmer. Ela fez uma palestra “Ted talk” extremamente popular, em que contou sua experiência.

Com essa campanha, Palmer mudou as regras do jogo para os músicos independentes. E ela não fez isso simplesmente pedindo dinheiro às pessoas, mas contando uma história.

O poder das histórias

“Storytelling” tem sido uma palavra-chave utilizada desde o nascimento da publicidade, e sempre vem à tona porque é uma habilidade atemporal. Boas narrativas nos surpreendem, nos fazem pensar e sentir. A principal razão porque o Kickstarter funciona é que ele permite que as pessoas apresentem suas histórias ao público.

Pesquisas mostram que 78% dos diretores de marketing acreditam que o conteúdo é o futuro do marketing. Dois terços dos profissionais da área afirmam que conteúdo patrocinado é superior a relações públicas, correio direto e propaganda impressa.

O “storytelling” deixou de ser um luxo exclusivo da classe dominante ou de empresas que possuem os meios de impressão e distribuição. É uma habilidade que todas as empresas e indivíduos precisarão dominar.

Estamos ficando acostumados a conversar com empresas, e elas estão mais do que prontas para colocar seu conteúdo em nossa timeline do Facebook, ao lado de imagens de entes queridos e de links jornalísticos.

Enquanto a quantidade de conteúdo e os meios para acessá-lo aumentam, o que se destaca precisa ser extremamente envolvente. Somente aqueles capazes de criar, encontrar e compartilhar boas narrativas conseguirão construir bases sólidas de seguidores.

Isso é verdade tanto para empresas quanto para indivíduos. Pessoas com marcas pessoais poderosas largam na frente para conseguir vagas de emprego e ser promovidas para cargos de liderança. Essas marcas pessoais se baseiam, entre outras coisas, na habilidade de contar e compartilhar ótimas histórias.

Histórias tornam apresentações melhores, fazem com que ideias “peguem” e nos ajudam a persuadir. Líderes experientes contam histórias para nos inspirar e nos motivar. Eles sabem que a maneira como você conta alguma coisa costuma ter mais impacto do que a coisa em si.

Assim como os cartões de Amanda Palmer a tornaram simpática a dezenas de milhares de estranhos, histórias nos ajudam a criar negócios e carreiras independentes. Embora ainda precisemos da ciência e de dados para tomar decisões corretas, os melhores livros de negócios e oradores usam histórias para nos ajudar a reter os pontos principais, mesmo quando as estatísticas já sumiram da memória.

Há um provérbio indígena na parede do meu escritório que diz: “Aqueles que contam histórias comandam o mundo”. Enquanto a tecnologia desenvolve nossas relações cada vez mais, acredito que isso se torna mais e mais real. Nossa missão como empresas, trabalhadores e líderes é garantir que as pessoas boas sejam aquelas que estão contando as melhores histórias.

Infelizmente, na era do PowerPoint e das rápidas atualizações de status, muitos de nós nos esquecemos de como contar uma boa história. Assim como acontece com qualquer habilidade, vamos precisar de prática nisso.

Shane Snow, autor do artigo, é jornalista, administrador-chefe de conteúdo no Contently e escritor freelancer, com trabalhos na Wired, Fast Company e outras publicações. O texto foi postado originalmente no blog Hubspot.