Ex-trainee da Folha, roteirista de ‘Verdades Secretas’ diz que jornalismo ajuda a criar ficção

Por treinamento

Por Gabriella Beira

 

A novela da Rede Globo “Verdades Secretas”, que termina nesta sexta-feira (25), tem, entre seus roteiristas, um ex-trainee da Folha. Bruno Lima Penido, 37, participou da 33ª turma do Programa de Treinamento, em 2001, sob supervisão de Ana Estela de Sousa Pinto, hoje editora de “Mercado”.

“Entrei no treinamento ainda sob o impacto do 11 de setembro. Era um momento pulsante do jornalismo e cheguei animado, cheio de energia. Eu me inscrevi em uma madrugada, sem pensar muito, e fui passando em todas as etapas até ser escolhido. Isso realmente mudou o rumo da minha vida. Talvez eu tivesse me tornado juiz de direito, se não fosse por esse treinamento”, diz Penido.

Formado em direito, Penido fez três anos de faculdade de jornalismo em Belo Horizonte, onde nasceu. Não terminou porque mudou-se para São Paulo e começou a trabalhar. “Sempre quis ser escritor e jornalista. As duas paixões me acompanham desde pequeno. Costumo dizer que escrevo desde que me entendo por gente e que só me entendo por gente porque escrevo.”

O rooteirista Bruno Lima Penido (Reprodução/ LinkedIn)
O roteirista Bruno Lima Penido (Reprodução/ LinkedIn)

Ainda moleque, decidiu entrevistar Jô Soares. Assistiu a um espetáculo dele e, no final, conseguiu burlar a segurança do teatro. “De repente, me vi num elevador, sozinho com Jô, com um gravador em punho. Foi tão inesperado que dei uma titubeada. Foi o suficiente para Jô elogiar o meu feito e me encher de perguntas fofas, que idade eu tinha, como era o jornal que eu ajudava a fazer, que legal eu ser corajoso de ir atrás dele”, conta.

O apresentador estava com pressa e a única conversa que tiveram foi no elevador. “A fita gravada é absolutamente humilhante. É o tempo todo ele perguntando e eu respondendo”, diz.

Depois do treinamento, Penido trabalhou por quase sete anos na Folha. Foi correspondente em Buenos Aires, repórter de economia, editor-assistente de cadernos especiais, repórter de cidades. “Rodei bastante no jornal, porque sempre gostei de experimentar um pouco de tudo. Fiz manchetes, assuntos sérios, mas também me aventurei escrevendo textos mais leves para ‘Folhinha’, ‘Folhateen’, ‘Ilustrada’ e ‘Esporte’.”

Penido deixou a Folha para ir para a GloboNews, onde “aprendeu a pensar em tempo de reportagem, em vez de espaço”. Migrou para a área de entretenimento, no Projac, onde participou do início do “Estúdio i”, programa de Maria Beltrão.

Já tinha feito cursos de roteiro e, por isso, ficou feliz ao ser transferido para essa área. “O que sempre havia sido apenas um hobby se tornou o meu trabalho de verdade, e o jornalismo ficou de lado”, diz.

Virou roteirista do “Vídeo Show”, acompanhou algumas novelas e, agora, com “Verdades Secretas”, aparece pela primeira vez com o crédito de autor.

Ele diz que sua formação em jornalismo o ajuda no trabalho de roteirista. “Tenho duas sinopses que apresentei à Globo para análise e ambas partiram de um fato real. Novela é ficção, mas a realidade pode ser um bom ponto de partida. O olhar atento para o noticiário funciona como uma fonte de histórias e possibilidades de trama.”

 

Grazi Massafera grava cenas em que sua personagem em "Verdades Secretas", Larissa, se mistura aos usuários de drogas em uma cracolândia cenográfica (Créditos: Marcello Sá Barretto/AgNews)
Grazi Massafera grava cenas em que sua personagem em “Verdades Secretas”, Larissa, se mistura aos usuários de drogas em uma cracolândia cenográfica (Créditos: Marcello Sá Barretto/AgNews)