Filme mostra debates internos sobre linha editorial do jornal ‘Le Monde’

Por treinamento

Por Tatiana Marotta

Um documentário publicado neste mês pelo site de notícias francês Les Inrocks revela o dia a dia de um dos principais diários do país, o “Le Monde”, durante a cobertura das eleições presidenciais de 2012.

Com 1h22, o “Les Gens du Monde” (as pessoas do mundo, em trocadilho com o nome do jornal) retrata as dificuldades enfrentadas pelos jornalistas da publicação durante a cobertura do pleito que polarizou a França entre o então presidente e candidato à reeleição Nicolas Sarkozy, de direita, e o candidato da esquerda, François Hollande, que acabou vitorioso.

CX060_46C5_9
Sede do jornal “Le Monde”, em Paris. (Crédito: Fred Dafour/AFP)

Embora se declare de centro-esquerda, o “Le Monde” historicamente nunca se posicionou a favor de um partido. O vídeo registra o momento em que, em meio à tensão eleitoral, mais de cem jornalistas se reúnem com a direção na sede do diário, em Paris, para decidir em relação à cobertura e à linha editorial.

A alguns dias do segundo turno Hollande-Sarkozy, a principal pauta era se o “Le Monde” apoiaria um dos candidatos ou se manteria sua posição histórica de não tomar partido.

O debate inflamou a equipe: um jornalista disse que “Os leitores não precisam que digamos para eles em quem votar”. Outra ponderou: “O ‘New York Times’ apoiou o Obama, e foi bem recebido pelos leitores”.

O então diretor do jornal, Erik Izraelewicz, lembrou que, além de decidir se o “Le Monde” se posicionaria, precisavam resolver qual candidato apoiar.

“Vocês parecem ter certeza que, caso escolhamos um candidato, ele será François Hollande. Mas parece que Nicolas Sarkozy serviria melhor aos interesses da mídia, pois é um homem imprevisível, que faz vender”, disse, arrancando risos da plateia.

A reunião terminou sem definição. Um dia antes do segundo turno, um editorial escrito por Izraelewicz sinalizava uma defesa da candidatura socialista, ainda que não explicitamente.

O diretor morreu naquele ano, meses depois da gravação do documentário. Ele costumava dizer que “[na França] existe um jornal de direita, o ‘Le Figaro’, que na minha opinião desconsidera a imprensa. Existe outro, de esquerda, o ‘Libération’, que quer estimular a esquerda. Nós somos o ‘Le Monde’ e não trabalhamos para fazer política, mas para estimular a informação”.

O filme ainda não possui tradução para o português. O trailer, em francês, pode ser visto abaixo: