Newsletters ressurgem como ferramenta de publicação para jornais

Por treinamento

Uma ferramenta de difusão de conteúdo que parecia ultrapassada vem recobrando força junto aos produtores de conteúdo na internet.

As newsletters enviadas por e-mail voltam a ser exploradas pelos sites jornalísticos, embaladas pelo sucesso de listas como a do Quartz, portal de notícias de negócios da Atlantic Media, que ultrapassa a marca de 100 mil leitores.

Newsletter - Quartz

Os números ajudam a difundir a ideia de que a caixa de entrada é a nova homepage, defendida por executivos da Quartz e jornalistas como Rosental Calmon Alves, da Universidade do Texas. Grandes veículos como “Bloomberg”, “The New York Times” e “El País” já voltaram suas atenções para a oportunidade de conquistar leitores através de email.

A vantagem das newsletters sobre as cada vez mais diversas e numerosas fontes de informação na internet é justamente a capacidade de selecionar e organizar os conteúdos relevantes perdidos no oceano de informação publicada diariamente. Com o adicional de que entrega essa informação organizada na caixa de e-mails, que, como ressaltou David Carr em artigo no “The New York Times”, é a primeira coisa a ser checada na internet pela maioria das pessoas.

O conteúdo das newsletters ultrapassa a simples compilação de notícias próprias, modelo tradicional dos grandes veículos jornalísticos. A lista de notícias da Quartz reúne textos de diversos portais norte-americanos, a do El Español, site espanhol que será lançado no segundo semestre, reúne notícias de portais do mundo todo; e o site TinyLetter  permite a qualquer um criar a sua newsletter e enviá-la a pessoas interessadas.

O maior exemplo dessa onda renovada do serviço de notícias por e-mail é a “startup” “The Skimm”, criada por duas ex-produtoras da rede de televisão norte-americana NBC, cuja única produção é uma newsletter diária com um resumo das principais manchetes do dia.

Newsletter - theSkimm

O conteúdo produzido pelas duas jornalistas, com um foco feminino e voltado para profissionais sem tempo para ler notícias diariamente, é enviado gratuitamente para todas as pessoas que se inscrevem no site.

Lançado há três anos, e com mais de um milhão de leitores ativos, o projeto recebeu US$ 7,8 milhões (R$ 23,8 milhões) de investidores antes mesmo de definir de onde virá o lucro.

Em meio a todas as movimentações de Google, Facebook, Twitter e afins para reconfigurar o compartilhamento de informações, a ideia pode parecer estranha, mas o futuro do compartilhamento de notícias pode chegar antes por e-mail.

Newsletter - Folha