Conheça softwares para começar a organizar seu próprio banco de dados

Por treinamento

Em palestra para os novos trainees no dia 2 de fevereiro, Elio Gaspari, colunista da Folha, aconselhou aos jovens jornalistas a criação de um banco de dados próprio, alimentado diariamente com artigos e informações de interesse.

Gaspari contou que seleciona de cinco a dez reportagens de jornais todos os dias e as armazena em seu computador, utilizando um software de gerenciamento de banco de dados que lhe permite pesquisar e consultar suas informações de maneira rápida e organizada, a partir de atributos como datas, palavras-chave, local, nomes, etc.

Abaixo listamos alguns softwares de gerenciamento de dados que podem ser utilizados por jornalistas para seguir a dica de Gaspari e criar seus bancos pessoais de dados:

FileMaker
O software utilizado por Gaspari é o FileMaker, distribuído pela empresa de mesmo nome, uma subsidiária da Apple. Sua plataforma possui versões tanto para indivíduos, quanto para empresas, e funcionalidades que servem não apenas para quem quer armazenar e gerenciar bancos de dados, mas também para desenvolvedores.

Entre suas ferramentas úteis para jornalistas, destaque para o sistema de busca citado por Gaspari, que, além de pesquisar os metadados dos arquivos, como data, título e origem, busca os termos pesquisados no interior de arquivos de texto, por exemplo. Também é possível gerar gráficos e visualizações com os dados de diferentes arquivos dentro da plataforma.

Seu sistema de organização é baseado em pastas e subpastas como o diretório de um computador e a interface pode ser acessada via navegador em qualquer computador, ou via aplicativo em qualquer dispositivo móvel. É compatível com iOS e Windows. Seu site disponibiliza uma versão gratuita de teste para download e tutoriais para iniciantes.

Preço A versão mais barata da plataforma, a licença individual do FileMaker Pro 13, custa US$ 376.

Evernote
Apesar de ser, tecnicamente, um programa de criação e organização de blocos de anotação, o Evernote possui as funcionalidades necessárias para que um jornalista possa criar e gerenciar um banco de dados próprio. Suas ferramentas de gestão dos arquivos permitem a busca por palavras-chave dentro dos blocos de anotação, que aceitam imagens, gráficos, desenhos, hiperlinks, da mesma forma como o FileMaker. Também permite a sincronização de arquivos de áudio, imagens e PDFs, e possui uma função de reconhecimento de texto em arquivos de imagem.

Sua interface é especialmente adequada para ser acessada em dispositivos móveis e seu funcionamento é compatível com todos os principais sistemas operacionais do mercado, o que o torna vantajoso para quem pretende acessar seus dados de diferentes dispositivos em diversos momentos do dia.

Preço A principal vantagem é possuir uma versão gratuita com todas as funções essenciais. Além dela, possui a ‘Premium’, que permite edição offline dos blocos de nota e pesquisa dentro de PDFs, a R$10 por mês e uma para múltiplos usuários, a ‘Business’, a R$ 20 por usuário, por mês.

Microsoft Office Suite
A Microsoft possui seu próprio programa de gerenciamento de blocos de anotação dentro da suíte Office, o OneNote, com funcionamento muito semelhante ao Evernote. O diferencial é sua comunhão com os outros programas da Microsoft, mais especificamente o OneDrive, de armazenamento e gerenciamento de arquivos na nuvem, e os programas de edição, como Word, Excel e PowerPoint.

Apesar de serem programas diferentes, todos eles estão interligados. Os blocos de anotação criados no OneNote estão arquivados e se atualizam automaticamente dentro do OneDrive, que permite que arquivos sejam editados online por Word, Excel e Powerpoint, e ainda enviados ou compartilhados diretamente por e-mail pelo Outlook, que engloba o antigo Hotmail.

Para a construção do banco de dados, o uso do OneNote e do OneDrive cobre todas as funções essenciais dos outros softwares, apesar de possuir menos ferramentas específicas. Para quem já usa outros serviços da Microsoft, pode ser um modo mais simples de organizar seus dados e mantê-los sempre atualizados.

Preço A versão online dos programas, com armazenamento limitado, é gratuita. A licença de um ano do Office 365 Personal, com todos os programas para desktop, custa R$ 169.

O Google também oferece um serviço semelhante com o Google Drive, de armazenamento, o Google Docs, de edição de documentos, e o quase desconhecido Google Keep, de gerenciamento de blocos de anotação.

Existem ainda diversas plataformas de armazenamento na nuvem e compartilhamento de documentos além de OneDrive e Google Drive, como o iCloud, da Apple, o Dropbox, Mega, MediaFire, Box e Copy. Essas plataformas, no entanto, não possuem as funcionalidades de edição, pesquisa e organização.