Novo em Folha

Programa de Treinamento

 -

O blog √© uma extens√£o do Programa de Treinamento em Jornalismo¬†da Folha. √Č produzido pela equipe da Editoria de Treinamento, pelos trainees e por outros colaboradores da Reda√ß√£o da Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

O que define um bom especialista?

Por Sabine Righetti

Nesses dias, em uma conversa com os trainees, surgiu uma pergunta interessante: o que define um bom especialista?

Ou seja: como escolhemos a pessoa com quem vamos conversar para analisar, comentar ou explicar um fen√īmeno sobre o qual estamos escrevendo?

As respostas da turma foram bem interessantes.

A ideia geral é que o especialista é alguém com notável conhecimento sobre um determinado assunto.

Mas isso n√£o se traduz necessariamente em uma pessoa que tem ac√ļmulo de t√≠tulos.

“Um pescador √© t√£o especialista quanto um ocean√≥grafo. Cada um a sua maneira, mas ambos especialistas”, diz¬†Giovanni Bello, trainee do programa.

Isso significa que dependendo da reportagem e da sua abordagem, é mais válido ouvir um ou outro (ou ambos).

“A depender do assunto, um acad√™mico pode ser in√ļtil.”

ESCOLHA

E como escolher um bom acad√™mico? Um economista, um bi√≥logo, um m√©dico para comentar um fen√īmeno?

Para a trainee Ione Aguiar, um bom acadêmico tem uma combinação de reconhecimento entre seus pares e aprofundamento em um assunto específico.

Trocando em mi√ļdos: um bom qu√≠mico √© aquele que a pr√≥pria ci√™ncia, que tem suas pr√≥prias metodologias de avalia√ß√£o, valoriza.

O bom especialista também deve ter o guarda-chuva de uma instituição: médico de um determinado hospital, professor de tal universidade, especialista de tal instituto de pesquisa.

E importante: não adianta conversar com alguém famoso, mas pouco reconhecido academicamente.

Um exemplo?

“Ningu√©m consulta o dr. Robert Rey (o doutor Hollywood) em reportagens sobre medicina”, explica Aguiar.

NOVOS NOMES

Depois de encontrar boas fontes é preciso encontrar, de novo, boas fontes.

Explico.

Não adianta conversar sempre com os mesmos especialistas em direitos da criança, em finanças pessoais ou em aquecimento global. Eles tendem a dizer sempre a mesma coisa.

Temos de diversificar, encontrar novos nomes, pesquisar, conversar com especialistas de fora da sua cidade ou até mesmo do seu país.

Se você é estudante de jornalismo ou jornalista, como faz para encontrar bons especialistas? Comente!

 

Blogs da Folha

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Publicidade