Apurações

Por aballes

Por Yajna Moreira, trainee da turma 55

 

Como é possível ver aqui, eu participei de algumas reportagens políticas publicadas no nosso projeto final, “Brasil – Terra do Futebol”. A primeira dificuldade que eu, Pedro Kuchminski e Cesar Soto encontramos foi a falta de transparência no esporte.

 

No site da CBF, faltava, no primeiro momento, a publicação de oito balanços de federações. Por isso, começamos a ligar para instuições de norte a sul do país, passando por diversos sotaques e diferentes recepções.

 

Alguns presidentes não nos atendiam, desligavam na nossa cara e eram grosseiros. Outros foram receptivos. Isso nos rendeu algumas risadas e muitos cabelos brancos. Depois de horas no telefone, selecionei as frases mais engraçadas das entrevistas:

 

“Sou cabra-macho heterossexual (…). Mas se você publicar isso eu vou atrás de você lhe dar de relho.”

 

“Por que você quer saber da minha vida? Eu não me meto na sua…”

 

“A Copa pra gente já começou há muito tempo.”

 

“O presidente trabalha muito bem com o sistema de SMS.”

Depois dos contatos, a CBF publicou alguns dos balanços que faltavam. A lição que fica é que quando a imprensa está atrás, miraculosamente, as coisas começam a andar, máquinas são reativadas, e balanços empoeirados são publicados.