Novo em Folha

Programa de Treinamento

 -

O blog é uma extensão do Programa de Treinamento em Jornalismo da Folha. É produzido pela equipe da Editoria de Treinamento, pelos trainees e por outros colaboradores da Redação da Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Cobrir jogo não é para qualquer um

Por izabela moi

Por Rafael Andery, 23, trainee da turma 54

Na tarde do domingo passado (23/9), comi três pequenos sanduíches de salame com queijo, dois sanduíches de presunto e bebi uns quatro copos de água mineral. O cardápio parecia com o menu da festa de aniversário daquele seu primo mais novo, mas, na verdade, eram os quitutes oferecidos no espaço destinado à imprensa no estádio do Morumbi. Não me fiz de rogado.

Além da boca livre, algumas outras coisas agitavam o ambiente do Cícero Pompeu de Toledo naquele dia. São Paulo e Cruzeiro jogavam na 26ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2012. Além disso, o time da capital apresentaria, para seu torcedor, o meia Paulo Henrique Ganso.

E lá estava eu. Fui acompanhar o trabalho de um repórter da Folha em dia de jogo. Como aficionado pelo esporte e membro da liga amadora dos comentaristas de sofá, sentia-me plenamente preparado para a tarefa. Ledo engano.

Ao longo do dia, o repórter que acompanhávamos escreveu duas matérias grandes, uma sobre o jogo e a outra sobre a apresentação de Ganso. Além disso, fez a ficha técnica da partida, mandou textos para a versão on-line do jornal e acompanhou duas entrevistas coletivas, uma antes e outra após o confronto. Eu, enquanto isso, comi cinco sanduíches.

Após o jogo, até consegui falar com o atacante Osvaldo, do São Paulo, autor do único gol do confronto. Ele estava saindo do vestiário sozinho e os repórteres de rádio não davam muita atenção ao atleta. Na minha opinião, ele havia sido o homem da partida. Ademais, com a chegada de Ganso, provavelmente será Osvaldo o jogador sacado da equipe titular.

Falei tudo isso para o garoto, que mal parou para me ouvir. “É continuar trabalhando, espero estar evoluindo a cada jogo, e isso vai ser mais uma dor de cabeça pro Ney Franco”, foram as palavras que vocês não leram no jornal de segunda. Entrevistar jogador de futebol é difícil. 

Moleza, no entanto, se comparado a tentar assistir ao jogo do seu time de coração sem demonstrar maiores emoções. Já devo ter ido ao Morumbi, no mínimo, umas 50 vezes. Essa foi seguramente a única em que não soltei comentário menos elogioso à mãe do árbitro da partida.

Tratar futebol com profissionalismo é um pouco chato. Medir palavras, ser comedido nas opiniões, imparcial nas análises, tudo isso tira muito a graça do esporte.

Quando Ganso entrou na sala de imprensa e ficou a poucos metros de mim, minha vontade era de levantar e dar um sincero abraço no garoto paraense. Em vez disso, fiquei transcrevendo suas frases para meu bloquinho de notas. Na hora do gol do São Paulo, meu mundo veio abaixo. A torcida inteira gritando e pulando e eu lá, sentado com meu sanduíche de presunto.

Meu respeito aos jornalistas esportivos. Fazer da paixão uma profissão não é para qualquer um.

 

Sala de imprensa do estádio do Morumbi (estou na terceira fileira, no meio, de camiseta azul marinho e cabeça baixa) [foto: divulgação]

Blogs da Folha

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Publicidade