Novo em Folha

Programa de Treinamento

 -

O blog é uma extensão do Programa de Treinamento em Jornalismo da Folha. É produzido pela equipe da Editoria de Treinamento, pelos trainees e por outros colaboradores da Redação da Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Jornalismo além das palavras

Por Paula Leite

Os trainees tiveram recentemente algumas atividades que envolveram outras linguagens dentro do jornalismo, como infográficos e vídeos, além de aulas sobre texto. A Daniela Arai conta como foi:

“Nas duas últimas semanas, participamos de uma série de atividades voltadas para o desenvolvimento de diferentes tipos de linguagem.

Com as aulas de câmera e videorreportagem do Luciano Abe, tivemos noções básicas de fotografia e vídeo. Com  o curso do Fábio Marra e do Mário Kanno (editor e editor-adjunto de arte),  compreendemos que informação gráfica também é informação jornalística e começamos  a encarar o desafio de pensar graficamente as nossas pautas. Por fim, nas oficinas de texto do Fabrício Corsaletti, trabalhamos com aquilo que é a matéria-prima do jornalista: a palavra.

Para além do aprendizado pontual desta ou daquela questão, ou mesmo da discussão de um tema ou outro, o que ficou de mais importante de todas essas atividades, para mim,  foi algo simples de definir e difícil de construir: referências.

Referências são aqueles arquivos que compõem a biblioteca da nossa cabeça. Biblioteca de textos, imagens, sons, sabores que definem não só quem somos e de que gostamos, mas também o que fazemos. Afinal, para reconhecer o que é bom, escolher o que se quer e fazer o que se gosta, é preciso conhecer o que existe.

Não é novidade para ninguém que para tirar boas fotos e produzir bons vídeos, é preciso ver boas fotos e vídeos; para compor bons infográficos, reconhecer o que há de melhor na infografia; e, é claro, para escrever bem, conhecer pelo menos um pouco do que gerações de cultura escrita deixaram para nós.

No entanto, há quem pense que estudar o que outros fizeram é perda de tempo e o melhor é ir fazendo desde já do nosso jeito. Mas, a pergunta é: qual é o nosso jeito? Previsões não faltam, mas só o tempo irá dizer.

Muitos acreditam que a nossa biblioteca já está saturada de determinado tipo de linguagem e que é preciso apostar todas as fichas em outra forma de expressão (alguns dizem que nós, de vinte e poucos anos, nascemos na era da imagem e ignoramos a escrita; outros dizem que viemos de uma cultura escolar que valoriza a escrita e despreza a imagem. A verdade é que somos muito pobres em tudo e essa é a própria  definição de juventude).

Na minha opinião, tudo o que é bom merece um espaço na nossa biblioteca e no nosso jornal. Textos, imagens e vídeos sempre terão um lugar, se forem bons. O importante é trabalhar para que sejam os melhores. Estudar para que o fotógrafo consiga captar ‘o instante decisivo em todos os elementos que se movem ficam em equilíbrio’ (Cartier-Bresson); para que o infografista consiga tornar compreensíveis os números e os fatos; para que o repórter e o redator consigam dar forma escrita a uma realidade. Tudo isso, enfim,  para que  o leitor possa dizer do jornal que chegou à sua casa (no papel,  na tela, no chip cerebral, sei lá ): caramba, isso é bom!”

Blogs da Folha

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Publicidade