Jornalismo e literatura

Por Paula Leite

O trainee Pedro Ivo Tomé escreve sobre a contribuição da literatura para que os jornalistas melhorem seus textos. Ele toca em dois pontos importantes: precisão e clareza.

Nesta semana, temos uma oficina de escrita com Fabrício Corsaletti, colunista da revista sãopaulo. Estamos lendo contos de alguns autores como Anton Tchekhov e Ernest Hemingway e analisando suas respectivas técnicas de escrita e resultados.

A literatura sempre ofereceu elementos muito úteis para o jornalismo. Além disso, é interessante notar como a passagem de alguns desses autores pelo jornalismo também influenciou suas obras. Tchekov escreveu artigos na época da faculdade para pagar seus estudos. Já Ernest Hemingway é famoso por seu trabalho como correspondente de guerra durante a Guerra Civil Espanhola.

O jornalista tem um tempo exíguo para criar um recorte de determinado fato, oferecendo uma janela da realidade para o leitor. Seu espaço é curto, também limitado pela retranca específica daquele dia. Assim, a linguagem precisa e clara é sua munição mais eficiente para construir algo suficientemente informativo e de valor para o leitor.

Daí a importância do estudo de tais autores: como também são precisos e claros, seu valor para o jornalismo é inestimável. Além de podermos nos deliciarmos com contos de grande qualidade e alimentarmos nosso arcabouço literário, conseguimos adquirir importantes técnicas para a escrita diária.