Novo em Folha

Programa de Treinamento

 -

O blog é uma extensão do Programa de Treinamento em Jornalismo da Folha. É produzido pela equipe da Editoria de Treinamento, pelos trainees e por outros colaboradores da Redação da Folha.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

A primeira cobertura de desastres: o naufrágio de Titanic

Por Cristina Moreno de Castro

Há exatos 100 anos o “inafundável” navio Titanic afundou, conforme todos aprendemos no cinema através da história interpretada por Leonardo DiCaprio e Kate Winslet.

O que eu não fazia ideia é que o New York Times praticamente inventou a maneira como hoje cobrimos grandes desastres durante aquela cobertura, sob comando de um sujeito chamado Van Anda, que comandava a Redação do Times naquele 1912.

Ele ainda trabalhava, depois da meia-noite, quando recebeu um boletim do telégrafo dizendo que o navio havia batido contra um iceberg.

Prevendo o desastre, convocou os repórteres e redatores e eles prepararam mais ou menos o que faríamos hoje em casos parecidos: memória sobre outros casos recentes de naufrágios, imagens do navio e do capitão, lista e perfil de algumas pessoas a bordo, a texto sobre a reputação que o navio tinha de nunca afundar, o máximo de detalhes possível do atual desastre.

No dia seguinte, ao saber dos sobreviventes, enviou o máximo possível de repórteres para a costa onde os botes estavam chegando, reservou todo um andar do hotel mais próximo, com quatro telefones diretamente conectados à Redação do Times, e ainda conseguiu, através de Marconi (sim, o próprio inventor do telégrafo!), um contato com o sujeito que emitiu o boletim sobre o naufrágio.

O Times saiu com as melhores histórias e dedicou, de suas 24 páginas, 15 apenas para o Titanic.

Não deixou nada a desejar para nossos jornais de hoje, cobrindo as equivalentes quedas de aviões e terremotos 😉

Leiam toda a história AQUI.

Blogs da Folha

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Publicidade