Fico fora em SP ou dentro em MT?

Vejam a dúvida de nosso leitor Leandro:

Formei-me em jornalismo no final de 2010. Não fiz estágio por questões financeiras, visto que trabalhava em outro ramo que pagava um bom salário e, inclusive, a faculdade. Tinha vontade de mergulhar num estágio, mas se assim fizesse não conseguiria pagar a faculdade. Ou seja, escolhi permanecer na empresa.

Pois bem. Minha escolha, hoje, cobra um preço alto: a dificuldade extrema de conseguir algo na área. E quando me refiro à área, falo de redação. Não tenho vontade de trabalhar com assessoria ou comunicação empresarial. Já tentei muita coisa, mas nada deu resultado. Cheguei na etapa final de um processo seletivo na TV Cultura, mas creio que a falta de experiência tenha contribuído para que eu não fosse o escolhido para a vaga de redator.

Mas, agora, recebi uma proposta para trabalhar como repórter em uma TV no MT.  Segundo o chefe da TV, esta é “afiliada” de uma grande emissora, mas isso não consta no site da emissora…

Enfim, o fato é que vi alguns vídeos pela internet e a TV é um tanto quanto precária. Os vídeos são ruins, os repórteres não empregam o português corretamente (alguns sequer são jornalistas), as matérias têm qualidade questionável e outras coisas.

Daí, gostaria de uma opinião de alguém experiente. Atualmente moro em SP. Teria de me mudar para lá, mudar hábitos e outras coisas. Valeria a pena? A proposta é CLT, com salário dentro do piso da categoria na região. Penso que a experiência como repórter poderia valorizar meu currículo. No entanto, como a TV é pequena e de qualidade questionável, fico receoso. Eu teria de mudar minha vida completamente, morar em uma cidade carente e desconhecida. Por isso, penso duas vezes. E aí, qual a opinião de vocês?

E então, o que acham? Quem já esteve nessa situação? O que escolheu? Deu certo?

Comentários

  1. Eu vou responder sem levar em conta o que você disse a respeito da qualidade da emissora, porque eu realmente não sei o que pensar sobre isso.

    Eu acho que você deve ir, sim.
    Pense que o oposto seria pior: você ser de uma cidade pequena, arrumar um emprego não tão bom em São Paulo com um salário baixo, e não ter como se manter numa cidade cara demais, e, no fim das contas, ter de voltar para o interior. Porque é o que acontece às vezes.
    Nesse caso você sempre terá São Paulo como sua cidade. E ainda poderá voltar com experiência. Até porque nada te impede de você continuar tentando, né. Se você tem um endereço fixo e facilidade para voltar, não é motivo para desistir.
    E pense em guardar dinheiro, fazer planos para intercâmbio, essas coisas.
    Boa sorte!!!

  2. Seria legal tentar, se for vantajoso financeiramente. Só que, depois de um tempo, creio que é preciso pensar em algo maior. Certa vez, um colega jornalista disse-me que era frustrante acordar todos os dias e pensar que cobriria briga de gato com galinha. É mais ou menos isso.

    Às vezes a realização profissional não chega se você fica encravado pra sempre em certos lugares.

    1. Cassio, certamente, é importante sempre pensar em quais são as metas no curto, no médio e, às vezes, quando a gente já tem, no longo prazo

  3. Eu sou de São Paulo, me formei em uma faculdade bem bacana, mas não conseguia pegar nada em redação porque minha experiência em estágio era apenas em assessoria. Acabei aceitando uma proposta para trabalhar em um jornal do interior do Estado. Aprendi muito lá, ganhei muito jogo de cintura e acredito que seria uma profissional mais incompleta sem isso. Meu conselho é para você ir. Depois de um tempo, um ano, dois, sei lá, você vai estar mais apto para se destacar e conseguir algo mais bacana em um grande centro.

    1. Sou jornalista e moro em Mato Grosso. Sou daquie e imagino como deve estar se sentidno. Se quiser, posso te ajudar dando mais informações sobre meu Estado e sobre o mercado aqui. Boa sorte!

      1. Boa ideia! É um ótimo jeito de ajudar a tomar decisões: conversar com quem conhece bem uma região/área/situação para a qual se quer migrar 😉

  4. Passei por uma situação dessas. Mudei-me para o MT e lá permaneci por 11 meses, éra o ano de 1988, tudo éra muito, mas muito mais difícil, comunicação, tranporte etc. Mas apesar das dificuldades valeu a pena, aprendi muito e certamente teria me arrependido se não tivesse tentado. Profissionalizei-me. Um grande abraço.

  5. Eu acho que São Paulo tem mais oportunidades. Mas nisso eu nem vou opinar, já que corro o risco de estar sendo induzida pelo sonho paulistano.

    Sobre o fato de a TV ser pequena e todas as dificuldades que o Leandro mencionou, eu acho que vale a pena mesmo assim. E muito. O primeiro estágio que eu fiz foi em uma TV minúscula, em uma cidade que é praticamente uma roça. A TV estava situada em uma casa, tinha um galinheiro atrás e os jornalistas também cometiam erros básicos de língua portuguesa. Mas foi lá que me abriu as portas para uma emissora maior e ali também aprendi demais, apesar da estrutura do local. As pessoas não somente erram e a precariedade não é, de tudo, um fator tão negativo. A experiência agrega em várias coisas e, em empresas menores, acho que há um fator muito importante para a vida profissional: você aprende a se virar com o que tem, do jeito que dá e tem a satisfação de conseguir realizar o que, inicialmente, não parecia possível. Estas são qualidades que podem ajudar muito no futuro… Atualmente, trabalho em uma revista também muito pequena e hoje mesmo estava brincando que, no maior estilo JK, amadureci cinco anos em cinco meses. Nem tudo é lindo, claro. Tem horas que você se perde em meio a pensamentos do tipo “Eu posso ser mais, fazer mais, eu entendo sobre tal coisa e não posso realizar… no jornalismo, o correto seria tal coisa e fulano não entende…”. Mas, se a gente se despir dos preconceitos, verá que são problemas contornáveis e que, com boa vontade, podem ser transformados em soluções para uma vida profissional plena, madura e equilibrada.

  6. Eu também ficaria em SP, provavelmente surgirá uma oportunidade melhor por aqui. Essa é arriscada demais, mudar sua vida por algo que você não acredita não dá! Tenha fé de que vai rolar algo bacana no que você quer. Não precisa ser a redação da Folha, mas pode ser uma redação menor, de revista segmentada, pra ir te dando experiência. E concordo com o colega acima, faça um blog com um assunto que você curta. Além de ser portifólio, é um ótimo treinamento!

  7. Olá,

    Não sei se vai ajudar, mas vá lá a minha experiência: sou servidora pública em Itajaí (SC), tenho um salário muito bom, mas trabalho na área administrativa. Me formei final do ano passado e agora peguei um mês de férias e vim tentar a vida de jornalista no Rio de Janeiro. Como sou funcionária há dois anos, eu peguei um mês de férias e licença sem vencimento, então, mantive meu vínculo com a prefeitura caso queira voltar.

    Eu vim sem nenhuma proposta de emprego e tô tentando conseguir algo aqui no RJ e, talvez, em SP. Eu larguei família, amigos, vida estável pra tentar a sorte e acho que você deveria tentar também, se você ama a sua profissão. É uma oportunidade de enriquecer o seu currículo e daqui um ano, você pode voltar pra SP e tentar algo por aí.

    Pense que é só um período na sua vida, como um estágio, mas remunerado. Você vai passar apertos, até de adaptação (eu tô sofrendo bastante aqui para me adaptar – não tenho amigos nem emprego, é complicado! haha), mas se você fosse meu amigo, aconselharia a tentar.

    Boa sorte,

    Tamara

Comments are closed.