Perguntas sobre o futuro

Por Ana Estela de Sousa Pinto

Ontem à noite fui conversar com os alunos da Universidade Brás Cubas, em Mogi. Como eu tinha que sair às 20h30, por causa de outros compromissos, não deu tempo de todo mundo fazer as perguntas que queria.

Alguns alunos me mandaram suas questões por e-mail, e aproveito para responder aqui:

• Eu possuo um blog há quase quatro anos, mas nele escrevo sobre tudo: desde contos e crônicas até minhas opiniões, desabafos e coisas do tipo. O considero pessoal, mas preciso confessar que é algo de que me orgulho muito. Minha dúvida é: você acha importante acrescentá-lo ao currículo ou é desnecessário? Há alguma situação em que apresentá-lo poderia me prejudicar?

Acho que vc não deve colocar seu blog pessoal no currículo, mas pode criar um segundo blog para os textos menos pessoais, como, por exemplo, as crônicas e opiniões, que possa servir como uma referência sobre seu texto e sua capacidade de argumentação.

Nas relações com empresas, sempre tente separar ao máximo o que é pessoal do que é profissional. Isso vale para os processos de seleção e para sua vida profissional depois de contratada

• Sou cadastrada em alguns sites que enviam vagas de estágio. Às vezes recebo e-mails com oportunidades interessantes, mas há um ou outro requisito que não se encaixa no meu perfil (nível de inglês pedido, por exemplo). É “errado” me candidatar nessa situação?

Não é errado, não.

No máximo, eles vão usar um filtro que vai te tirar da seleção automaticamente.

Mas, nos lugares em que a seleção é feita por humanos e não por um computador, sempre existe a possibilidade de alguém gostar do seu currículo mesmo que vc não tenha todos os requisitos básicos.

Além disso, sempre que possível, faça um parágrafo bem objetivo vendendo seu peixe, do tipo: Estou certa de que tenho as qualidades e a motivação necessárias para desempenhar um excelente trabalho na XYZ. Embora ainda não tenha inglês fluente, estou estudando três vezes por semana e me comprometo a atingir o nível desejado em nove meses.

• Sempre tive curiosidade de visitar a redação de jornais/revistas, de conhecer a rotina, ver como esse processo de produção funciona, etc. Você acha importante/possível realizar essas visitas?

Acho legal pra quem tem vontade, sim. Quanto mais a gente conhece, mais preparado fica.

• E por último: É comum um estudante de jornalismo ter dúvidas de qual área seguir, por se interessar por várias delas? Sinto que passo por isso, me interesso por vários assuntos e meios, mas também sinto que tenho a “obrigação” de ter decidido o que quero.

Sim, é muito comum. Eu até hoje não sei bem o que quero fazer…  🙂

Mas o importante é continuar sempre se aprimorando, mesmo que não seja numa área específica.