O gênero do jornalismo

Por Luisa Pessoa

Qual o gênero do jornalismo? Melhor dizendo: Como é a distribuição e qual é o tratamento de homens e mulheres nas empresas de mídia, dos mais baixos aos mais altos cargos?

No final de 2010, o International Women’s Media Foundation  (com o apoio da Unesco) publicou o resultado de dois anos de pesquisa sobre esse tema. Mais de 500 empresas de mídia, distribuídas em 59 países, responderam por meio de questionários qual era seu comportamento na distribuição de postos de trabalho e salários entre homens e mulheres, se a empresa tinha políticas internas para promover a igualdade de gênero etc.

A conclusão geral foi a de que tanto os postos de gestão/administrativos quanto os de produção de informação são ocupados, em sua maioria, por homens. E que ainda existe disparidade de salários entre homens e mulheres que ocupam as mesmas posições.

A pesquisa apontou, por exemplo, que 73% dos cargos de “Top management”, responsáveis pela definição da política da empresa e por suas principais decisões financeiras, são ocupados por homens.

Já na Redação, apenas um terço das pessoas que trabalham como repórteres e redatores são mulheres.

No Brasil, especificamente, 15 empresas participaram da pesquisa: 12 jornais e 3 emissoras de TV.

Aqui, os pesquisadores observaram que se havia uma substancial disparidade na ocupação e remuneração dos cargos “Top management”, mas os salários de outros cargos (como os de Redação) eram distribuídos de maneira mais igualitária.

Na empresa que você trabalha/estagia, consegue perceber diferenças de tratamento para homens e mulheres? Deixe um comentário =)

As tabelas detalhadas estão abaixo.

O relatório completo da pesquisa pode ser visto/baixado aqui.

  • Definições utilizadas na pesquisa

  • Distribuição de cargos

BRASILMÉDIA

  • Remuneração por cargo 

BRASIL

MÉDIA – América

  • Tipos de contrato

BRASILMÉDIA

  • Políticas internas relativas a gênero

BRASIL MÉDIA – América